Segundo o Houaiss, TRABALHO é: sm. fis. grandeza que pode ser definida como o produto da magnitude de uma força e a distância percorrida pelo ponto de aplicação da força na direção desta (τ); esforço incomum; luta, lida, faina; conjunto de atividades, produtivas ou criativas, que o homem exerce para atingir determinado fim; atividade profissional regular, remunerada ou assalariada; qualquer obra realizada (manual, artística, intelectual etc.).

6 de setembro de 2007

O que seria da gente sem eles?


Eles correm cerca de 40km, carregam em média 6 toneladas, ficam expostos aos perigos do trânsito, fogem de cachorros, agüentam a chuva ou o sol e sofrem discriminação pelo seu trabalho. Diariamente. E ele passa aí, na porta da sua casa. Já sabe de quem estou falando? Do lixeiro, claro. Ou melhor, do coletor de lixo. Lixeiros somos todos nós, que produzimos o lixo.

Existe profissão mais importante? Não. Nem aquelas consideradas essenciais para o ser humano, como a de médico. Será que um médico pegaria o lixo do hospital e levaria em seu carro até um depósito? Duvido. E conviver com o acúmulo de lixo é inviável. Ainda mais se for em um hospital.

Mesmo com toda sua importância, o coletor de lixo ainda sofre com a ignorância da população, com o velho hábito que ela tem de achar que ele é inferior porque lida com lixo. Isso, além de muito preconceituoso, é o reflexo da desvalorização de determinadas profissões que exigem menos estudo.

Embora seja essencial a valorização de profissionais de nível superior, trabalhadores como o coletor de lixo são cruciais para o bom funcionamento da sociedade. Podemos facilitar o trabalho deles de várias formas, começando pelo respeito. Você faz a sua parte?

2 comentários:

Sandra disse...

É engraçado pois este é um tipo de serviço que só existe em países que apresentam índices baixos de alfabetização, educação.
Em Paris, por exemplo, NÃO existe funcionários no metrô, nem vendendo ticket, nem limpando, nem nada.
Só há oferta se houver demanda, certo!? Então, em país onde educação não faz parte da pauta diária, sempre vai haver este tipo de trabalho e ele sempre vai ser discriminado... Ironicamente eu diria, pois se ele deixar de funcionar por um dia, refletirá os maus hábitos e a falta de educação e cultura do nosso povinho que vota no PT, pq ganha um saco de farinha por mês... tsc.

Marília Carneiro disse...

Foram muito felizes o post e o comentário.Precisamos coroar o dia da "independência",hahahahaha!